sábado, 25 de outubro de 2008

Lévy defende a revolução pela tecnologia

Na última quarta-feira, 22, asssisti a uma intrigante palestra do professor Pierre Lévy, no Teatro Castro Alves, como parte da programação do evento Fronteiras Braskem do Pensamento que vem trazendo a Salvador pensadores do mundo inteiro. O intelectual tunisiano é conhecido por introduzir dentro do intercampo da comunicação e tecnologia conceitos como inteligência coletiva e ciberespaço.

Bem, a proposição de Lévy é, em resumo, a criação de uma notação linguística universal capaz de ter sentido por ela mesma, tal como o faz a imagem. Isso porque, defende o pensador, o mundo caminha, a partir do invento da Internet, para um governo universal, guiado por uma inteligência coletiva capaz de trazer as soluções necessárias ao homem.

Uma idéia bem intrigante, mas tecnófila, para me apropriar do termo usado pelo professor Muniz Sodré ao avaliar o pensamento de Pierre Lévy. Primeiro, porque tal proposição desconsidera as especificidades inerentes ao processo de forjamento da lingua em um ou outro ambiente. A linguagem não é meramento código. Segundo, porque esquece que, como já bem pontuava Milton Santos, a história da humanidade deve ser sempre entendida a partir do estado da técnica e do estado da política, e essa última parece ter sido esquecida pelo ilustre intelectual tunisiano.

Outrossim, criticava Sodré ao fazer uma análise da palestra leviniana, a Internet, apesar de toda a potencialidade de multiplicar as formas de expressão e de opinião, tem criando detro dela seus feudos ideológicos, que a exemplo do que vemos no mundo real (em oposição ao virtual), escondem estratégias de perpetuação e domínio de poucos atores, detentores da mais valia econômica e política.

Em suma, a revolução proclamada por Lévy no campo tecnológico não garante por ela mesma a evolução socioeconômica galgada na democratização dos espaços, virtuais e reais, quiçá o acesso àqueles mais prestigiados.

Um comentário:

Lud disse...

Tabinha,
Estou visitando seu site pela primeira vez e gostei muito!
Está de parabéns!!!
Bonitas palavras... bons textos... É, não poderia esperar outra coisa! :)

Beijos

Lud